____________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Médico trocou carreira para tratar leprosos na África: “Deus supre todas as necessidades”

Há 12 anos, o médico se mudou para a África com sua esposa para se tornar missionário e cuidar de pessoas com lepra.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY

Kruijff dirige uma equipe que ajuda no combate a hanseníase trabalhando com o governo de Moçambique. (Foto: Leprosy Mission).
Kruijff dirige uma equipe que ajuda no combate a hanseníase trabalhando com o governo de Moçambique. (Foto: Leprosy Mission).
Arie De Kruijff, um médico altamente qualificado, deu um passo de fé extraordinário, juntamente com sua esposa Marie. Há 12 anos eles se mudaram para Moçambique com o objetivo de salvar pessoas com lepra, também conhecida como hanseníase. Sua missão foi inspirada por dois grandes mandamentos registrados na Bíblia: Amar a Deus de todo o coração e amar ao próximo (Mateus 22 36-40).
"Estamos falando de sobre missão integral", disse Kruijff. “Quando Jesus foi questionado sobre qual era a coisa mais importante a ser feita, ele disse: ‘Ame o Senhor e ame o próximo’. Até agora a igreja tem sido boa no primeiro, mas não no segundo. Quando se trata de sujar as mãos e alcançar as pessoas, a igreja não é muito boa”, disse o médico.
"Em nosso projeto, temos sido o oposto. Bom no segundo, mas não tão forte no primeiro. Então eu sinto que o equilíbrio perfeito poderia ser alcançado se trabalhássemos juntos. A igreja local está crescendo e temos a responsabilidade de torná-la mais responsável", alertou.
Embora Jesus tenha alcançado as pessoas com lepra, o estigma em torno da antiga doença permanece forte, independentemente de Moçambique ser um país em grande parte cristão. É de grande importância o trabalho de Kruijff na pobre província de Cabo Delgado.
Hanseníase
Hoje o médico cristão tem três filhos e dirige uma equipe que ajuda no combate a hanseníase trabalhando com o governo de Moçambique no diagnóstico de novos casos. Kruijff diz que agora está pronto para abrir a porta para a missão integral. E em Moçambique, onde mais da metade da população se define como cristã, o cenário é perfeito. Ele explica.
“A igreja é estável e eu sinto que precisamos mobilizar as igrejas locais para ajudar. Por exemplo, algo como a triagem dos doentes poderia ser feito por congregações da igreja. A hanseníase é uma doença que, se não tratada, provoca danos nos nervos e subsequentemente perda de sensibilidade nas mãos e nos pés”, explicou.
Isso torna uma pessoa vulnerável a lesões, pois eles ficam incapazes de sentir dor. Eles se ferem sem saber e, em um local onde as pessoas cultivam a terra para a sobrevivência, geralmente descalços, a infecção é forte e pode levar à perda de dedos das mãos e dos pés.
Equipe de ajuda
Kruijff diz: “Temos grupos de autocuidado onde os membros da comunidade são treinados para detectar os primeiros sinais e sintomas da lepra. Os grupos também observam pessoas ajudando uns aos outros verificando seus pés e mãos e encorajando uns aos outros para manter as feridas limpas e, portanto, livres de infecção. Isso, por sua vez, ajuda a combater o estigma”.
Sua visão é ver a igreja cuidar de ambas as necessidades, físicas e emocionais, de uma pessoa afetada pela hanseníase. "Se esse amor e cuidado serve para abrir os olhos de uma pessoa para o amor de Cristo, então a missão integral realmente deu certo", diz. Embora Kruijff esteja muito agradecido com sua família pelo o que fizeram para realizar o trabalho de Deus, ele não se preocupa muito com os desafios de viver em uma rua nos arredores de Pemba.
"É muito gratificante fazer algo que realmente faz a diferença", diz ele. "Nós enfrentamos desafios todos os dias, mas Deus nos faz vencer. Ele supre todas as nossas necessidades. Enquanto meus colegas de faculdade de medicina estão provavelmente vivendo em luxo comparado a nós, eu honestamente não gostaria de estar em qualquer outro lugar. Para mim foi fantástico experimentar uma cultura diferente e aprender português, que é a língua da educação em Moçambique”, finalizou.

Apoio