____________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

EUA se reúne com Arábia Saudita para incentivar liberdade religiosa no país

Autoridades dos EUA se reuniram com funcionários do governo saudita para discutir tolerância às religiões


A Arábia Saudita fez avanços sem precedentes em direção à tolerância religiosa. As mudanças foram conferidas de perto por uma delegação da Comissão de Liberdade Religiosa dos Estados Unidos, que visitou a capital, Riad, no fim de setembro.

Depois de um encontro com funcionários do governo saudita, autoridades dos EUA informaram que o país fez uma reforma no departamento de polícia religiosa — encarregada de aplicar a lei islâmica entre os cidadãos — e instituiu novos programas para reprimir o extremismo.

“Fiquei surpreso com o ritmo da mudança no país. Isso me lembrou o livro de Jó, que diz: ‘Meus ouvidos tinham ouvido a respeito, mas agora meus olhos viram’”, disse o comissário Johnnie Moore. “Foi a primeira vez que percebi que poderíamos ver a liberdade religiosa na Arábia Saudita”.

Moore foi o líder evangélico de mais alto escalão a se reunir com o governo saudita desde que o príncipe herdeiro de 33 anos, Mohammed bin Salman propôs uma reforma do islamismo em seu país, para que a religião seja mais moderada e aberta.

Menos de 5% dos 32 milhões de pessoas que vivem na Arábia Saudita são cristãos, de acordo com a Pew Research. A nação ocupa o 12º lugar entre os países que mais perseguem cristãos, segundo a lista da Portas Abertas.

O governo ainda não sanciona o funcionamento de igrejas ou qualquer forma de adoração pública por não-muçulmanos. No entanto, um progresso está sendo feito a fim de permitir o culto privado e proteger os direitos das minorias religiosas.

Novos avanços

De acordo com Moore, nos últimos seis meses, Bin Salman se reuniu com uma série de líderes cristãos como o arcebispo de Canterbury, o patriarca maronita e o papa copta no Cairo.

Moore e a comissária Nadine Maenza ainda se reuniram com líderes da Comissão para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício (CPVPV, na sigla em inglês), que promove o código moral islâmico na Arábia Saudita.

A comissão — que já foi a maior barreira para o culto privado — não tem mais autoridade para entrar nas casas das pessoas ou fazer prisões, informou Moore. Ele disse que os cristãos sauditas já sentiram os efeitos da reforma sob o comando de Bin Salman e apoiam as mudanças.

Além disso, a delegação americana se reuniu com os ministérios do governo encarregados de reprimir o extremismo religioso, estabelecendo programas educacionais e monitorando o ensino nas mesquitas. Sob a constituição muçulmana, a Arábia Saudita continua aplicando leis contra a apostasia, mas há sinais de que elas estariam se tornando menos rigorosas.

“Eu sou otimista para uma Arábia Saudita onde muçulmanos, cristãos e outros possam cultuar livremente”, disse Moore. “Pela primeira vez em minha vida e em minha defesa da liberdade religiosa, acredito que isso seja possível e talvez até mais cedo do que esperamos. Sou realista sobre os desafios envolvidos, mas até agora acredito que eles estão sendo sinceros em seus planos de moderar e modernizar”.


http://cpadnews.com.br/home/

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Após ser libertado na Turquia, pastor ora por Donald Trump

O pastor Andrew Brunson foi solto pelas autoridades turcas após mais de dois anos 

Andrew Brunson ficou mais de dois anos preso na Turquia

pastor Andrew Brunson foi solto pelas autoridades turcas na última sexta-feira (12) e ao chegar nos Estados Unidos, acompanhado de sua esposa,  Norine, eles oraram pelo Presidente Donald Trump na Casa Branca. 

Brunson disse a Trump que ele e sua família “oram por ele com frequência” e disse que gostaria de orar por ele no Salão Oval e perguntou se isso seria bom. O presidente respondeu: “Bem, eu preciso disso provavelmente mais do que qualquer outra pessoa nesta sala, então seria muito bom, obrigado“.

Com a resposta positiva, o pastor orou: “Senhor Deus, eu peço que você derrame o seu Espírito Santo sobre o Presidente Trump. Que você lhe dê sabedoria sobrenatural para realizar todos os planos que você tem para este país e para ele. Peço que você lhe dê sabedoria sobre como liderar este país. Eu peço que você lhe dê perseverança e perseverança e coragem para defender a verdade. Eu peço que você o proteja de calúnias de inimigos, daqueles que minariam. Eu peço que você faça dele um grande líder para este país, com sua sabedoria, força e perseverança, e nós o abençoamos. Que ele seja uma grande bênção para nosso país. Em nome de Jesus, nós os abençoamos. Amém.”

Após receber a oração,  Trump comentou sobre a soltura, o pastor ficou mais de dois anos preso por ser condenado pelas autoridades turcas que alegavam que ele mantinha ligações com um líder muçulmano que tentou tomar o poder.

Brunson pastoreou uma igreja em Izmir por 25 anos e sua prisão foi considerada como perseguição religiosa, uma vez que é impossível que extremistas mulçumanos façam qualquer tipo de acordo com líderes cristãos.

O pastor foi solto mesmo sendo considerado culpado,  o crime que o acusam tem pena máxima de três anose ele já havia cumprindo quase toda a pena. A prisão do pastor levou os Estados Unidos a pressionarem a Turquia causando uma crise diplomática entre os países.


https://www.jmnoticia.com.br/

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

CARREGAMENTO DE BÍBLIAS PRESO HÁ QUASE 6 ANOS É LIBERADO

Material que estava parado no porto do Sudão agora foi levado para a capital, Cartum, para ser distribuído

 3 DE OUTUBRO DE 2018   

 Nenhuma nova Bíblia é distribuída no Sudão desde 2013

O governo sudanês liberou um carregamento de Bíblias que estiveram presas no porto do Sudão por aproximadamente seis anos. As Bíblias em árabe foram liberadas há duas semanas e levadas para a capital, Cartum, após anos de recursos por líderes das igrejas, de acordo com uma fonte local.


“Desde 2011, oficiais da alfândega têm atrasado a liberação de diversos carregamentos de Bíblias em árabes pelo porto do Sudão, sem nenhuma explicação”, diz a fonte, acrescentando que Bíblias foram deixadas em containers no porto se deteriorando enquanto quase 2 milhões de cristãos no país encaram escassez de Bíblias e materiais de ensino.

Em outubro do ano passado, um líder cristão que supervisiona a importação de centenas de milhares de Bíblias e literatura cristã para o Sudão disse que a Sociedade Bíblica não recebeu nenhuma nova Bíblia para distribuir no Sudão desde 2013. O Sudão é o quarto na Lista Mundial da Perseguição 2018 dos 50 países onde é mais difícil viver como cristão.

Em 2011, o presidente do Sudão, Omar al-Bashir, disse que queria adotar uma constituição “100%” islâmica após a maioria cristã do sul ter votado por se separar. Desde então, missionários estrangeiros têm sido expulsos, igrejas confiscadas ou demolidas e líderes perseguidos e presos.

Pedidos de oração

Agradeça a Deus pela liberação das Bíblias, que elas possam ser distribuídas entre os cristãos locais.


Apresente a vidas dos líderes das igrejas, que eles possam ter sabedoria e fortalecer os irmãos e irmãs sudaneses.


Peça que o Senhor permita que seja possível importar Bíblias e literatura cristã para o país.


Fonte:https://www.portasabertas.org.br

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

PERSEGUIÇÃO CONTRA CRISTÃOS AUMENTA NO NORTE DA ÍNDIA

Igrejas têm sido fechadas e pastores, presos; mas mesmo assim pessoas continuam se convertendo

 1 DE OUTUBRO DE 2018   

 Pessoas têm se entregado a Cristo mesmo com o aumento da perseguição

No norte da Índia, situações como igrejas sendo atacadas e pastores presos têm aumentado rapidamente. Um dos parceiros da Portas Abertas informou que “neste mês houve mais de 20 incidentes em que igrejas foram fechadas. Algumas delas são grandes, onde mais de 3 mil cristãos (batizados e novos convertidos) participam do culto de domingo. As igrejas evangélicas são onde mais e mais pessoas têm vindo a Cristo”.


Outro pastor local compartilhou que “desde janeiro deste ano, as reuniões de mais de 70 igrejas domésticos, o que inclui pequenos e grandes encontros, foram proibidas por extremistas ou pela polícia. Os pastores têm sido detidos na maioria dos casos”.

O norte da Índia está experimentando perseguição como nunca antes. Nesta parte do país, extremistas colaboram com as autoridades policiais, o que torna o cenário ainda mais difícil, já que agora não é possível esperar proteção nem mesmo da polícia. A Índia está na 11ª colocação da Lista Mundial da Perseguição 2018 dos países onde é mais difícil ser cristão.

Pedidos de oração

Ore pelos cristãos do norte da Índia, que o Senhor possa fortalecê-los mesmo em meio ao aumento da perseguição.


Interceda pelos pastores e líderes da região.


Peça a Deus para que a polícia cumpra sua função com justiça, independentemente da fé dos moradores.


Fonte:https://www.portasabertas.org.br

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Pastores chineses enfrentam o comunismo e prometem perder suas vidas pregando o Evangelho

"Jovens Cristãos e seus pais sob a ameaça de serem tentados a renunciar à fé no papel provavelmente temem pelo seu futuro"

Cristãos chineses rezam em uma igreja clandestina em Tianjin. (FOTO: REUTERS / KIM KYUNG-HOON)

Diante de uma repressão comunista em andamento, os pastores da China prometeram continuar pregando o Evangelho, mesmo que isso lhes custe a vida.

Aaron Ma, representante do Ministério de Portas Abertas na China, disse ao The Christian Post em um e-mail na quinta-feira que o grupo de vigilância já ouviu falar de um caso de queima da Bíblia no país.

“Neste caso, a autoridade confiscou pertences das igrejas (incluindo Bíblias) e queimou todas”, disse Ma.

O momento de perseguição, em que autoridades do Partido Comunista queimaram Bíblias e cruzes em Henan, foi capturado em vídeo e compartilhado on-line no início deste mês por ativistas, incluindo o presidente da ChinaAid, Bob Fu, cujo grupo monitora a perseguição de cristãos na China.

A preocupação também aumentou com os casos em que as autoridades estaduais têm forçado alguns cristãos a assinar documentos rejeitando sua fé.

Ma retransmitiu informações de pastores chineses locais que revelaram que as pessoas pressionadas a assinar tais documentos são estudantes do ensino médio.

“Eles são tentados [e] ameaçados de não admitir sua fé cristã a fim de evitar problemas. Sua fé cristã está sendo desafiada e testada”, explicou o representante da Portas Abertas.

Quanto ao fardo que tais papéis de renúncia carregam, e se os crentes que os assinam são de fato considerados como tendo deixado o cristianismo, ele disse:

“Se eles deixariam a fé cristã dependeria de como seus pastores e irmãos e irmãs nas igrejas os guiam e encorajam a reconstruir sua fé.”

Medo

Ma explicou que, de um modo geral, os cristãos chineses, com exceção dos funcionários públicos, podem professar sua fé abertamente, mas notaram que isso depende da região e de quanto as restrições religiosas são impostas.

Ma disse que os cristãos chineses têm “tipos diferentes de medo”.

“Por exemplo, os pastores podem temer que seus crentes não sejam capazes de permanecer fortes sob esta onda de perseguição”, continuou ele.

“Jovens Cristãos e seus pais sob a ameaça de serem tentados a renunciar à fé no papel provavelmente temem pelo seu futuro (antes dessa onda de perseguição, os cristãos jovens enfrentam muitas lutas sob essa sociedade materialista).”

Ele sugeriu que as igrejas podem manter um perfil discreto e evitar envolver as partes estrangeiras de forma significativa em seus ministérios, a fim de escapar de atrair a atenção das autoridades.

“Portas Abertas mobiliza nossos apoiadores a orarem para que as igrejas chinesas tenham sabedoria e força para lidar com a situação difícil”, acrescentou Ma.

Recentemente, algumas igrejas muito notáveis, incluindo Zion, a maior igreja protestante em Pequim, foram fechadas e acusadas pelas autoridades de manter “materiais promocionais ilegais”.


https://www.jmnoticia.com.br/#

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

“EU QUIS DEIXAR JESUS, MAS NÃO POSSO”

Conheça Sari, uma garota indiana que foi agredida e expulsa de casa por causa da fé em Cristo

 21 DE SETEMBRO DE 2018   

 Depois de ser expulsa de casa, Sari passou a morar com a tia que também é cristã

Sari*, é uma garota de 12 anos da Índia que veio a fé depois que Deus curou seus ouvidos de uma doença que a deixara praticamente surda desde a infância. Os pais ficaram felizes com a cura, mas a proibiram de ir à igreja. Ainda assim, Sari sentiu que não tinha escolha, precisava ir. Ela tentou ir secretamente, mas quando seu irmão descobriu, a agrediu. Em certo momento, foi expulsa de casa e agora vive com uma tia cristã.


Ela compartilhou sua história, pois queria ter outras pessoas orando por ela. Sari sabe o que é pagar um preço por seguir a Jesus. Ao ser questionada se já tinha considerado deixar Jesus, ela disse: “Eu quis deixar ele, mas não posso”. Ela não conseguiu explicar porque não podia deixá-lo, mas simplesmente não podia. Pessoas que a conhecem disseram: “A fé dela é tão forte. É inacreditável”.

Durante o encontro com Sari, nossa equipe leu Salmos 68.5, onde Deus promete ser pai para o órfão. Depois deram graças e oraram juntos. Depois da oração, continuaram em silêncio por alguns segundos. Então, pela primeira vez, ela disse algo sem ter sido feita uma pergunta. “Eu quero dizer uma coisa. Obrigada por orarem”, ela concluiu. A oração tem poder e alcança os cristãos da Igreja Perseguida. Mesmo estando distantes fisicamente, podemos ser um com eles por meio da intercessão.

Pedidos de oração

Neste Dia Internacional da Paz, ore para que haja paz dentro dos lares dos cristãos que ainda não tem famílias convertidas.


Ore por Sari, pela cura dos traumas e para que seu relacionamento com a família seja restaurado.


Apresente a tia que a acolheu, que Deus possa suprir todas as suas necessidades.

Fonte:https://www.portasabertas.org.br

Apoio