Brasileiras sequestradas no Egito dão testemunho

sexta-feira, março 23, 2012


oracaoUma das evangélicas brasileiras sequestradas no Egito, Sara Lima Silvério, de 18 anos, disse na noite deste domingo (18) que foi bem tratada pelos beduínos, que a levaram para um vale no meio do deserto.
Após chegar ao hotel escoltada por generais do Exército egípcio, testemunhou: “Não me tocaram. Não molestaram nenhuma de nós. Eles não foram agressivos com a gente”, afirma Sara, grata a Deus e às orações dos irmãos que sabiam do seqüestro e intercediam por elas (foto). Sara e a missionária Zélia Magalhães de Mello, de 45 anos, foram libertadas do cativeiro sem ferimentos após negociações.
“A gente foi tirada do ônibus, colocada dentro de um carro. Levaram a gente para o meio do deserto, no Vale do Sinai. Lá eles colocaram um tapete no chão, a gente sentou e eles deram várias cobertas. Depois, serviram chá, serviram comida”, contou em entrevista, por telefone, do Egito.
Segundo ela, quando iam ao banheiro, os sequestradores não a acompanhavam, preservando sua intimidade. “A gente orou por nove horas, desde o momento em que fomos levadas até o momento em que chegamos ao hotel”, afirma testificando a intervenção e o poder de Deus ao livrá-las.
Sara e Zélia fazem parte da Igreja Evangélica Avivamento da Fé, que tem sede em Osasco, na Grande São Paulo. O grupo de 42 pessoas realizou uma excursão ao país.
sara
Os irmãos haviam saído do Cairo e tomado uma estrada rumo ao Monte Sinai. “De repente, dois carros ultrapassaram o ônibus e eles desceram atirando. Foram vários disparos, de metralhadora e de fuzil. Eles atiraram na porta do ônibus. Achei que estavam até atirando na gente. Foi então que eles entraram no ônibus e levaram as duas para fora”, afirmou o Pastor Dejair Silvério, pai de Sara.
O ônibus foi interceptado por um grupo de beduínos que sequestrou, além das duas irmãs, o segurança do ônibus, que é egípcio e estava armado, segundo fontes do Itamaraty.
Sara afirmou que fará a viagem ao país novamente “sem problemas”. “Volto com certeza”, disse confiante e feliz pelo livramento recebido. Ela afirmou ainda que os beduínos “quiseram chamar a atenção do governo”. “Foi algo político.”
A jovem relata que o guia sequestrado ajudou na comunicação, traduzindo o que os beduínos perguntavam. “Eles sempre perguntavam se a gente estava com frio, fome e falando que tudo ia ficar bem… A gente só achava que ia acontecer alguma coisa quando eles começavam a falar muito alto. Mas a gente não chorou, não gritou, manteve a calma”, conta.
Sara definiu o reencontro com a família como algo “lindo”. O pai, a mãe e a irmã aguardavam a chegada dela no hotel perto do Monte Sinai. “A gente começou a dançar. Todo mundo abraçou a gente. Foi uma experiência incrível, porque acrescentou muito à minha fé”, testemunha.
A intenção do grupo é cruzar a fronteira com Israel nesta semana e voltar ao Brasil no dia 27. Sara, que fez um intensivo de inglês em Dallas, pretende cursar música. A segunda opção é ser tradutora intérprete. Ela disse que atualmente faz cursos de francês e japonês. Após tão grandiosa experiência, quem sabe nossa irmã ainda não usará estes planos pra realizar missões?!
Fonte: CPAD News

You Might Also Like

0 comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *