terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Terrorista se infiltra em igreja como espião e se converte: “Este é o verdadeiro Deus”

Certo dia, o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) enviou um espião para a igreja do pastor Thomas, na Turquia. Ao contrário do planejado, a visita conduziu o jihadista a tomar uma decisão que mudaria sua vida: a de se entregar a Jesus Cristo.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE CBN NEWS

Chegando na igreja do pastor Thomas, a fim de cumprir uma missão dada pelo grupo terrorista, Mohammed entrou em conflitos internos. (Foto: Reprodução)
Chegando na igreja do pastor Thomas, a fim de cumprir uma missão dada pelo grupo terrorista, Mohammed entrou em conflitos internos. (Foto: Reprodução)
Há alguns anos, o pastor Ghassan Thomas deixou a cidade de Bagdá, no Iraque, depois de receber ameaças de islamitas contra ele e sua família. Desde então, uma nova igreja foi construída na Turquia para ajudar refugiados, assim como eles eram.
"Eu era um refugiado e podia me colocar no lugar deles. Eu os entendia", disse Thomas ao site CBN News.
Certo dia, o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) enviou um espião para a igreja do pastor Thomas. Ao contrário do planejado, a visita conduziu o jihadista a tomar uma decisão que mudaria sua vida: a de se entregar a Jesus Cristo.
Desde então, o pastor Thomas passou a aprender um pouco mais sobre o EI. Depois que o grupo atacou uma família dentro de sua própria casa, Mohammed (nome fictício do militante) queria voltar para matar qualquer sobrevivente.
"Naquele tempo, eu pensava desta forma: eu deveria matar. Eu deveria fazer muitas coisas sangrentas apenas para estar mais perto de Alá", disse ele.
Mohammed conta que é a sede de sangue que motiva o Estado Islâmico. "Se você não é muçulmano, você precisa ser muçulmano ou então devemos te matar e tomar tudo o que é seu — dinheiro, mulheres e tudo. Está escrito no Alcorão."
Os combates frequentes entre muçulmanos sunitas (pertencentes também ao EI) e xiitas colocaram, muitas vezes, a própria vida de Mohammed em perigo. Pensando em sua segurança, sua família pediu para que o jihadista fugisse para a Turquia.
Conversão
Chegando na igreja do pastor Thomas, a fim de cumprir uma missão dada pelo grupo terrorista, Mohammed entrou em conflitos internos.
"Eu vi as pessoas, como eles me receberam mesmo sem me conhecer. Eu odeio essas pessoas e elas me mostram o amor", lembra Mohammed, que recebeu uma oração que mudou sua vida.
"Quando eles oraram por mim, eu comecei a chorar como uma criança. Eu senti como se algo muito pesado tivesse saído do meu corpo", disse ele. "Quando o culto terminou, fui para casa, mas havia uma pessoa andando comigo, e eu sentia que não estava na terra. Eu disse: 'Eu estou voando? Eu sinto que não estou andando. É como se alguém me levasse'", relembra.
Depois dessa experiência, Mohammed começou a estudar a Bíblia e compará-la com o Alcorão. "Eu descobriu que este é o Deus que eu estava tentando encontrar. Este é o verdadeiro Deus. Isso é o que eu quero para a minha vida", disse ele.
Segundo o pastor Thomas, a mudança no coração de Mohammed mostra o quanto a igreja precisa enviar mais missionários para a Europa. "Precisamos de mais pessoas vindo e servindo a Deus na Europa com os refugiados, para fazer o contrário do que o EI faz", disse ele.

Muçulmano que perseguia cristãos vê cura de seu filho e se rende a Jesus: “Ele me resgatou”

Ismail e sua família tentaram realizar um suicídio em conjunto diante da trágica situação. Após serem ajudados por um pastor e verem a cura de seu filho, eles se converteram ao cristianismo.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE CHRISTIAN TODAY

Imagem ilustrativa. Homem orando dentro de um hospital. (Foto: Bible League International)
Imagem ilustrativa. Homem orando dentro de um hospital. (Foto: Bible League International)
Ismail, de 50 anos, era um muçulmano fanático que vivia no sul da Ásia. Ele sempre reunia esforços para barrar as atividades de evangelismo, agredir e apedrejar os cristãos.
Ele e sua esposa tinham apenas um filho, Afsal, de 15 anos. Mas durante meses, o adolescente ficou internado após uma cirurgia de remoção de tumor no cérebro. Para pagar os tratamentos, Ismail foi forçado a vender seu riquixá (carroça motorizada usada para seu sustento) e sua casa.
Um novo diagnóstico fez com que Ismail e sua esposa entrassem em um desespero ainda maior: seu filho estava com leucemia.
Ato de desespero
Sem contar a ninguém, o casal decidiu tirar o menino do hospital e levá-lo a uma praia próxima. Eles amarraram seus pulsos às mãos do garoto e iam caminhando rumo às profundezas do mar.
Naquele momento, alguns pescadores cristãos estavam trabalhando e notaram um comportamento estranho. Algumas gaivotas se aproximavam do barco e voavam de volta ao mar. Observando a rota do vôo, os homens perceberam que três pessoas estavam se afogando.
Eles correram para resgatar os três, clamando pela ajuda de Deus. Quando puxaram a família para o barco, sangue escorria de suas bocas e um forte cheiro de veneno encheu o ar. Com o objetivo de cometer suicídio, a família ingeriu veneno antes de entrar no mar.
Imediatamente, os pescadores levaram os três para o hospital mais próximo. Os médicos conseguiram reanimar o casal, mas o garoto estava prestes a morrer.
Ajudando o perseguidor
Naquela mesma noite, o pastor Paul teve uma visão sobre a situação daquela família e reuniu uma equipe de oração para visitá-los no hospital. Em 2006, Ismail usou seu riquixá para atropelar e tentar matar o pastor Paul. Em 2008, ele liderou um grupo de extremistas e destruiu uma de suas igrejas.
Mesmo com o histórico de perseguição, o pastor Paul visitou o casal e contou a eles como deixou o Islã para se converter ao cristianismo e também sobre sua milagrosa cura da leucemia.
Paul aproveitou para compartilhar a história bíblica dos quatro homens que trouxeram um doente a Jesus. "Jesus curou aquele homem por causa da fé de seus amigos", o pastor explicou ao casal. "Ele se levantou da cama e andou. Se você crer que Jesus Cristo é seu Senhor e Salvador, Ele poderá curar seu filho, Afsal, e trazê-lo de volta à vida. Foi somente por causa do Senhor que vocês foram impedidos de cometer suicídio”.
"Nós tínhamos perdido a nossa esperança e só queríamos morrer", explicou Ismail. "Este é o nosso segundo nascimento. Eu sei que o Senhor Jesus me resgatou através dessa dificuldade. Confesso e me arrependo de todos os pecados que cometi contra Deus e seu povo. Eu realmente quero ter uma nova vida, junto com meu filho e minha esposa”. Naquele dia, o casal de muçulmanos aceitou Jesus.
Milagre
O grupo de oração, o médico — que também era cristão — e o casal se uniram ao redor da cama de Afsal para adorar ao Senhor. Eles cantaram uma canção de cura enquanto o pastor orava pelo menino. Ao final da oração, Afsal abriu os olhos.
"Jesus Cristo apareceu pra mim", disse o adolescente, mais tarde. "Ele sorriu para mim e colocou suas mãos perfuradas na minha cabeça e no peito. Eu senti um sangue novo fluindo pelas minhas veias, como uma eletricidade”. O jovem também aceitou Jesus e o milagre foi comprovado depois que novos exames atestaram sua cura.
Atualmente, a família está sendo ajudada pelo pastor Paul e pela organização Bíblias Para o Oriente Médio, que alugou uma pequena casa para eles em outro bairro.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Testemunhos de cristãos do Sudão


A situação dos cristãos no país é complicada, mas eles estão dispostos a enfrentar qualquer batalha e dificuldade pelo nome de Cristo.
“A situação era difícil, mas eu tinha certeza de que Deus estava ao meu lado. Eu não perdi a minha fé e sabia que Deus iria ficar ao meu lado em qualquer momento”, disse Merian Ibrahim, que foi presa em seu país por acusações de apostasia. A cristã não foi liberada nem mesmo para dar à luz a sua filha. Atualmente ela e a família vivem exiladas nos EUA. “Eu sabia que Deus iria me ajudar, que Deus sabia que eu era uma vítima. É o meu direito praticar a religião que eu escolher”, disse a cristã. Declarar-se um cristão é o mesmo que candidatar-se aos maus tratos e à discriminação. Mesmo assim, a igreja continua crescendo no Sudão.
“A nossa família é muito grande e estamos espalhados pelo mundo, vamos nos unir em oração. Orem pelo Sudão, pois a igreja daqui ora por todos vocês. Que sejamos fortes para cumprir o nosso ministério”, disse Michael Yat, que já enfrentou nove prisões sudanesas e permanece firme para dar seu testemunho e fortalecer os demais cristãos. “Não deixe a perseguição surpreender você, antes disso seja corajoso e prepare-se. Concentre-se na certeza de que Cristo nunca vai te abandonar. Sejamos fortes para cumprir o nosso ministério”, reforça Yat.
O africano Idris Nalos foi um animista, mas um dia conheceu a Cristo. Logo após a sua conversão, ele se tornou um evangelista e começou a pregar em lugares remotos. Em poucos anos, ele plantou três igrejas, e isso chamou a atenção do olhar atento das autoridades. Ele foi preso pelo governo islâmico e torturado com o objetivo de negar a fé. Em oração, Deus lhe deu uma visão: “O Senhor me mostrou todos aqueles para quem eu havia pregado o evangelho e eles estavam falando de Cristo a outras pessoas. Eu vi que eles foram salvos e que estavam dispostos a seguir em frente para continuar o ministério”. Nalos disse que a partir daquele momento não temeu mais por sua vida. Após três semanas de tormento incessante, seus torturadores o liberaram sem explicação.
Há muitos testemunhos vindos do Sudão que servem de exemplo para fortalecer a igreja brasileira. Nós não vivemos em um contexto de perseguição, mas milhares de cristãos vivem e eles são a nossa família, uma parte do corpo de Cristo que vive distante de nós, mas que de uma forma sobrenatural, está bem próxima através das orações. Continue intercedendo por eles.

Juntos pela África
Os cristãos de alguns países da África Subsaariana enfrentam uma das piores perseguições de sua história. No dia 11 de junho, data escolhida para o Domingo da Igreja Perseguida 2017, juntos faremos mais pelos nossos irmãos dessa região. 
Fonte:www.portasabertas.org.br

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Primeira Bíblia impressa é disponibilizada on-line

Primeira Bíblia impressa é disponibilizada on-line
A Bíblia de Gutenberg é o primeiro livro impresso no Ocidente usando a técnica conhecida como “de caracteres móveis”. Elaborada em Magonza, por volta do ano 1455, a obra em alemão foi um dos alicerces da Reforma Protestante, que originou o movimento evangélico.
Existem apenas doze exemplares conservados da Bíblia de Gutemberg impressas em pergaminho, mas apenas quatro destes estão inteiros. Existe ainda uma cópia impressa em papel, mas que possui grande importância histórica por ser a única com notas manuscritas, que certifica como a conclusão da impressão em 1456.
Agora, a Biblioteca Nacional da França (BNF) está disponibilizando a consulta pela internet de dois dos quatro exemplares conservados em solo francês, uma em pergaminho e a outra em papel.
A BNF figura entre as maiores instituições literárias no mundo, com mais de 30 milhões de volumes, além da edição digital Gallica, que reúne milhões de documentos, livros, mapas, imagens, partituras.
A Bíblia, com amplos comentários, imagens, notas, é um presente para estudiosos e apaixonados que pode ser acessada aqui.
Mesmo online é possível ver que a impressão em pergaminho garantiu longevidade ao produto e capacidade de manter vivas até hoje as cores originais dos desenhos e das decorações. Com informações de Radio Vaticana
Fonte:www.gospelprime.com.br

EMAD 2017


sábado, 18 de fevereiro de 2017

Ladrões se convertem ao evangelho após roubarem furgão de missionário, na Argentina

Agustín trabalha evangelizando nas favelas e presídios de Buenos Aires. Mas não esperava que um dia fosse testemunhar a conversão daqueles que haviam roubado o carro de seu ministério.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO GOD REPORTS
Furgão em chamas. (Foto: OC Register)
Furgão em chamas. (Foto: OC Register)
Seu nome é Agustín, e ele mora na Argentina. Como a maioria dos trabalhadores do ministério cristão internacioanl "Every Home for Christ" ('EHC'), Agustin não tem muito dinheiro e trabalha duro para comprar suas coisas e pagar suas contas. Mas por diversas vezes, ele é confrontado por questionamentos difíceis: 'Compartilhar Evangelho vale mesmo a pena?'; 'Eu deveria continuar com este trabalho?'. Depois do que ele passou, muitas pessoas teriam desistido. Mas Agustín decidiu perseverar e por causa dessa decisão, ele testemunhou como Deus pode tecer os fios emaranhados de devastação, formando um bela peça na Tapeçaria da Graça.
No final do ano passado, quando Agustín e vários outros funcionários da EHC estavam evangelizando uma comunidade atormentada pelas gangues gangues nos arredores de Buenos Aires. Os voluntários do ministério estavam plenamente conscientes do perigo, mas estavam empenhados em compartilhar o Evangelho, com todos os que encontrassem na região: dependentes químicos, prostitutas e até mesmo os membros das gangues que controlam o bairro. No entanto, o que aconteceu aquela noite inesquecível faria com que Agustín questionasse se o risco valia a recompensa.
Dois homens armados surgiram do nada e atacaram a equipe. Embora os voluntários tenham tomado um susto com abordagem, não ficaram surpresos por aquilo ter acontecido. Esse tipo de coisa é comum onde eles vivem. Depois de serem fisicamente agredidos e terem armas apontadas para eles, Agustín e sua equipe entregaram para os criminosos o pouco dinheiro que tinham, seus celulares e as chaves da van do ministério. Após o assalto, os membros do 'EHC' ficaram se sentindo impotentes, enquanto os ladrões se afastavam, deixando-os desamparados em uma área extremamente perigosa.
Embora traumatizado e um tanto desanimado, Agustín agradeceu a Deus por poupar suas vidas e orou para que a van, juntamente com as Bíblias e os materiais evangelísticos que estavam nela, fossem recuperados. A van foi encontrada pouco tempo depois. O veículo tinha sido incendiado para que não pudessem ser encontradas impressões digitais dos criminisos. Mas foi o que ele encontrou no chão, ao lado da van destruída que levou Agustín e sua equipe às lágrimas. As caixas de Bíblias e materiais evangelísticos estavam do lado de fora do carro e não sofreram qualquer dano.
Naquele momento Agustín entendeu o que aconteceu ali: Deus não só protegeu sua vida e as vidas dos membros de sua equipe, mas também protegeu as ferramentas do ministério que são usadas para levar Sua mensagem a vidas que necessitam de Cristo. Com ou sem o carro, Agustin continuaria a espalhar o Evangelho em sua comunidade, entre as almas perdidas e desesperadas.
Enquanto isso, outros funcionários do 'Every Home for Christ' Argentina estavam fazendo um trabalho poderoso, evangelizando detentos em uma prisão de Buenos Aires. Quando Agustín ouviu falar da iniciativa, se inscreveu rapidamente para ajudar. Ele passaria o resto de sua vida compartilhando a mensagem de perdão e graça onde quer que pudesse, nas ruas de Buenos Aires ou nos presídios.
Detento lê Bíblia durante sessão de estudo com missionários. (Foto: Bible Society)

Perdão
Vários meses depois, Agustín estava trabalhando em um discipulado com detentos que já haviam se convertido a Cristo através dos serviços do EHC no local. Um dos presos o ouviu compartilhar a história sobre o roubo da van e o livramento que o voluntário teve naquele dia. Quando o missionário falou sobre as Bíblias e os materiais evangelísticos que ficaram intactos e não foram queimados junto com o carro, o preso sabia que ele tinha que dizer alguma coisa.
"Fui eu", confessou o rapaz para Agustin. "Eu e um dos outros detentos nesta prisão fomos os caras que atacaram você e roubaram sua van".
Agustin ficou chocado e as memórias daquela noite horrível inundaram sua mente. Agora - apenas alguns meses depois - ele estava frente a frente com um dos homens que o atacaram. Com lágrimas nos olhos, o detento pedia que Agustin o perdoasse, explicando que, desde que foram presos, ele e seu cúmplice aceitaram a Cristo e abandonaram suas vidas de crime.
Nesse momento, Agustin foi confrontado com outra difícil escolha: ele poderia perdoar os homens que o agrediram, roubaram sua van e a destruíram? Então ele se lembrou das Bíblias e dos materiais evangelísticos que Deus milagrosamente poupou. Essas mesmas mensagens impressas foram levadas para os presídios e transformaram as vida dos criminosos que os roubaram.
Mais uma vez, Agustín sabia qual seria sua decisão: Ele escolheu perdoar.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Cura milagrosa de criança gera avivamento em área resistente ao evangelho

Cura gera avivamento em área resistente ao evangelho


Um jovem casal vietnamita viu sua filha de dois anos, que nasceu aleijada, milagrosamente começar a andar após as orações dos missionários locais. Segundo um relatório da Christian Aid Mission, o casal que vive no sul do Vietnã, decidiu procurar um hospital infantil na capital Ho Chi Minh para tentar uma operação na pequena Mai, que nascera com os pés curvados e não conseguia ficar em pé.
No meio do caminho, os pais da menina acabaram conhecendo um missionário vietnamita que orou por Mai, junto com vários outros pastores em uma igreja local. Eles seguiram viagem, mas no dia seguinte algo incrível aconteceu.
“Enquanto o marido, a esposa e a filha estavam em um hospital infantil, esperando serem atendidos, pela primeira vez na vida, Mai conseguiu andar cerca de um metro”, conta o pastor.
“Eles ficaram tão felizes que Deus tinha começado a curar sua filha que cancelaram a consulta, levaram-na de volta para a igreja e pediram que continuássemos a orar por ela.”
Na manhã seguinte, Mai voltou a caminhar. Ainda que precisando apoiar com uma mão na parede, andou pelo quarto. Seus pais pediram aos pastores que orassem por ela mais uma vez antes de voltarem para casa. Alguns dias, ligaram para o pastor contando que Mai estava curada.
“Não muito tempo depois, Mai já conseguia ficar de pé, andar e correr como uma criança normal”, disse o pastor. “Aleluia! Este é um grande milagre, Deus curou uma menina com um defeito de nascença nos pés.”
A Christian Aid relata que o testemunho de cura ajudou a atrair pessoas e logo a igreja começou a crescer numa região que antes era muito resistente ao Evangelho.
Na mesma época, uma mulher vietnamita paralítica foi curada depois que um grupo de missionários orou por ela. Ela se converteu e seu marido também. Ele logo se tornou um pregador dedicado, que ajudou a fundar cerca de 60 novas igrejas no Vietnã.
O Vietnã está entre os países do sul da Ásia com maior índice de perseguição, aponta a Missão Portas Abertas. Os cristãos são menos de 10% da população do país que tem 92,7 milhões de habitantes. A religião predominante é o budismo. Com informações de Gospel Herald
Fonte:www.gospelprime.com.br

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Inauguração da Creche Escola Missionária Peniel em Lagoa da Cobra, extremo sertão piauiense


Inauguração da Creche Escola Missionária Peniel em Lagoa da Cobra, extremo sertão piauiense. Deus tem sido fiel em suas providências. Obrigada a todos que tem nos ajudado. Tudo isso é pra glória de Deus. Irmãs Neide e Vanda, avante , Tudo por Ele e para Ele.

Fonte: Mis. Kelem Gaspar

Relatório indica que a situação dos cristãos pode piorar

Depois que aumentou o poder do partido nacionalista no país, aumentou também o número de crimes de ódio, violência contra as minorias religiosas e conversão forçada ao hinduísmo
16-india-mulheres-adorando
Uma onda de nacionalismo motivado por questões religiosas, nos últimos anos, fez a Índia subir duas posições na Lista Mundial da Perseguição. Em 2016, o país ocupava a 17ª posição e agora está na 15ª. Conforme o atual relatório lançado este mês pela Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF), esta liberdade no país e o respeito aos direitos humanos depende de emendas substanciais à Constituição indiana de forma a alterar suas leis, caso contrário, a igreja vai continuar vivendo sob pressão.
A USCIRF afirma que, por um lado, a Constituição da Índia enfatiza a “igualdade legal geral” de seus cidadãos e ainda proíbe a discriminação baseada na fé. Por outro lado, “existem leis estaduais e nacionais que não cumprem os padrões internacionais de liberdade ou religião”. É uma contradição que se apoia na “lei anti-conversão” que funciona em sete estados indianos. Além disso, existe também a discriminação baseada em castas. Leia Dalits cristãos são discriminados na Índia para saber mais.
Depois que aumentou o poder do partido nacionalista hindu BJP, de Narendra Modi, aumentou também o número de crimes de ódio, há mais boicotes sociais, violência contra as minorias religiosas e conversão forçada ao hinduísmo. O relatório acusa a Índia de se afastar de suas fundações seculares, democráticas e pluralistas para se tornar um país onde “as minorias religiosas testemunharam uma deterioração de seus direitos”.  Sendo assim, a tendência é que a situação piore ainda mais para a comunidade cristã. Ore por essa nação.
Fonte:www.portasabertas.org.br

"Ser preso por causa de Jesus foi um presente”, diz pastor libertado de prisão no Irã

O pastor Behnam Irani disse que embora tenha sofrido torturas e espancamentos durante seis anos na prisão, não se sentiu sozinho, pois Deus nunca o abandonou.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA PORTAS ABERTAS
Pastor Benham Irani passou seis anos preso no Irã. (Foto: Portas Abertas)
Pastor Benham Irani passou seis anos preso no Irã. (Foto: Portas Abertas)
"A vida na prisão não é fácil, mas ser preso por causa de Jesus foi um presente para mim". A declaração impactante e comovente veio do pastor Benham Irani, que passou seis anos preso no Irã, por não aceitar abandonar seu ministério e não negar sua fé em Cristo.
Recentemente, a equipe da Missão Portas Abertas visitou Irani e conversou com o pastor. Embora ele assuma ter enfrentado momentos realmente difíceis, reconhece que não o fez sozinho, pois Deus nunca o abandonou.
Behnam Irani foi libertado pela justiça do Irã em outubro de 2016, após passar seis anos preso. Durante todo esse período, a sequência de maus tratos, espancamentos e torturas físicas que ele sofreu acabaram lhe causando sérios problemas de saúde.
Os colaboradores da Missão Portas Abertas tiveram a oportunidade de visitar Irani em sua casa, e ver a alegria de sua família em estar reunida novamente. O pequeno Adriel, de 9 anos (filho do pastor) sempre corria em direção ao pai para lhe dar um beijo e abraçá-lo. A reação de Benham ao ganhar as demonstrações de carinho do garoto parecia ser um misto de alívio e contentamento.
Atualmente, Irani, sua esposa e os dois filhos (Adriel e Rebeca, de 14 anos) vivem como refugiados na Turquia. Antes de ser preso, o pastor liderava uma denominação de igrejas domésticas no Irã, mas não conseguiu dar continuidade ao trabalho, já que foi preso e pode voltar a ser condenado como "criminoso" se continuar evangelizando as pessoas na nação.
Sua esposa, Kristina comentou a felicidade de ter o marido novamente em casa e confessou que às vezes tudo ainda parece um sonho.
“Às vezes, tenho que tocá-lo novamente para me certificar de que não é um sonho e que ele realmente está sentado novamente no sofá da sala”, diz ela sorrindo.

Fé inabalável
Irani destacou que, mesmo diante dos momentos difíceis na prisão, nunca se sentiu desamparado por Deus.
“O Senhor esteve comigo todos os dias. A vida na prisão não é fácil, mas ser preso por Jesus foi para mim um presente. Ele me deu oportunidades de compartilhar seu amor por lá, nos lugares mais escuros e sombrios”, contou.
Se tem algo que o pastor lamenta por ter passado seis anos na prisão foi a perda um período significativo do crescimento de seus filhos.
“Adriel era muito pequeno quando fui preso e começou a se esquecer de mim. Ele só podia me visitar de vez em quando”, contou o pastor.
Pastor Behnam Irani se encontra com sua família após passar seis anos preso, no Irã. (Foto: Causes)

Agora, Behnam está aproveitando para, de alguma forma, compensar o tempo perdido com a família.
“Eu fui privado de seis anos dos abraços deles. Muitas coisas mudaram. Minha filha cresceu alegremente, mas depois dessa situação, ela ainda se assusta até com o som da campainha, com medo de que eles [policiais] me levem embora novamente”, comentou.

Vida que segue
Apesar da alegria de seu retorno para casa, as batalhas da vida de Benham ainda parece não ter acabado. O pastor tem uma lesão grave em seu pé que não foi tratada, e isso dificulta sua procura por um emprego. A família também ainda sonha em retornar para o Irã.
“Confiamos que Deus continuará fazendo o melhor para nós. Temos apenas que segui-Lo”, concluiu o pastor.
Em 2014, mais de 3 mil pessoas de todo o mundo escreveram enviaram mensagem de apoio ao pastor Behnam na prisão. Ele chegou a saber das cartas, mas foi impedido de recebê-las pelas autoridades iranianas.
Durante a visita, os colaboradores da Portas Abertas puderam entregar grande parte dessas cartas. Ao recebê-las o pastor sorriu emocionado e abriu os envelopes. Em seguida, mostrou à esposa e filhos.
“Ficamos felizes por saber que irmãos do mundo inteiro oraram por nós”, afirmou.