____________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________

terça-feira, 15 de maio de 2018

DUAS PESSOAS SÃO MORTAS POR DIA, VÍTIMAS DA VIOLÊNCIA

ONGs denunciam os altos números da violência em carta aberta ao presidente Joseph Kabila


 por Luiz Fernandes       

 Cristãos deslocados na República Democrática do Congo (Imagem ilustrativa)


Organizações da sociedade civil da região leste do Congo reiteraram seu apelo ao presidente Joseph Kabila para pôr fim às mortes, que totalizam mais de 2.500 no período de três anos. Essas ONGs disseram que o número de mortos em Kivu do Norte passou de 1.116 em maio de 2016 para 2.459 até abril de 2018. Isso representa uma proporção de 57 pessoas mortas por mês e, em média, duas por dia. “Os cidadãos congoleses continuam a ser selvagemente mortos em Beni e Lubero”, afirmaram as Organizações Não Governamentais (ONGs) em carta aberta ao presidente Kabila.


O território de Beni é o mais afetado, com 1.465 mortos. “Isso é demais”, afirmaram as ONGs, observando que os sequestros também não pararam, mas pelo contrário aumentaram, com mais de 1.657 casos em Lubero e Beni. Além disso, houve 7.376 casos relatados de violência sexual contra mulheres e crianças. Até o final de 2017, Kivu do Norte era uma região relativamente calma. Agora, “veículos e propriedades são queimados, e algumas vezes pessoas e seus pertences também são queimados. Escolas são atacadas e saqueadas por rebeldes”, escreveram as ONGs na carta aberta.

Em abril, um filme destacando o impacto da violência sexual no leste do país recebeu um prêmio de Direitos Humanos da Associação Mundial de Comunicação Cristã e do SIGNIS, uma associação mundial de comunicadores católicos. O filme “Maman Colonelle” retrata o modo como a sociedade culpa as vítimas e lhes nega justiça e direitos humanos.

Envie um cartão para cristã congolesa
É nesse contexto de extrema violência que vive a cristã Manda. Ela foi atingida pela violência dentro da própria casa, quando seu marido ateou fogo nela e no bebê que amamentava. Hoje ela conta com suporte da igreja e de parceiros da Portas Abertas para sobreviver. Você pode encorajá-la enviando uma carta, mostrando assim o amor e o cuidado de Deus. Você tem até 30 de maio de 2018 para escrever cartões em inglês ou francês para Manda e seus quatro filhos. Além disso, você pode ler seu testemunho e colocá-los em suas orações. Clique aqui para saber como fazer.

Fonte:https://www.portasabertas.org.br

Apoio