Charles Spurgeon: Há 120 anos morria o “Príncipe dos Pregadores”

terça-feira, janeiro 31, 2012

Assumindo como pastor aos 16 anos Spurgeon se tornou um dos mais importantes pregadores da Inglaterra


Charles Spurgeon: Há 120 anos morria o “Príncipe dos Pregadores”
Em 31 de janeiro de 1892 falecia “O Príncipe dos Pregadores”, o pastor Charles Spurgeon, pregador batista da Inglaterra que teve muita influência com seus discursos na Igreja Batista em Waterbeach, no Condado de Cambridgeshire.
Nascido em 19 de junho de 1834, o filho mais velho da família Spurgeon (que teve 16 filhos) se converteu ao cristianismo em 1850 com 15 anos de idade e com 16 anos se tornou pastor sempre ganhando destaque por seus sermões considerados excelentes.
Sua fama começou a ser espalhada pela Inglaterra até que o jovem pastor foi convidado, em 1854, a se tornar o pastor da Capela de New Park Street que na época, mesmo tendo lugar para 1.200 pessoas contava com um pouco mais de 200 membros. Com os trabalhos de Spurgeon o templo começou a não suportar mais a quantidade de pessoas que vinham de todas as partes para ouvir o jovem pregador.
A igreja cresceu tanto que em 1858 foi necessário mudar a Capela para um local ainda maior, mas mesmo tendo capacidade para receber 12 mil pessoas o pastor precisava pedir para que os espectadores que já tivesse assistido aos cultos de um período que se ausentassem para que outras pessoas pudessem conhecer a Palavra de Deus.
Apesar de todo esse “sucesso” o pastor recebia muitas críticas, até mesmo de outros líderes batistas, pela forma teatral que ela usava para explicar as passagens bíblicas. Mesmo assim ele ficou conhecido por ser um grande reavivador para Londres, várias de suas mensagens são lembradas até hoje pela qualidade desses ensinamentos.
Lembre de algumas frases de Charles Spurgeon:
“Todo cristão ou é um missionário ou é um impostor.”
“A convicção de ignorância é a porta de entrada do templo da sabedoria.”
“A lei do Senhor é o pão de cada dia do verdadeiro crente”.
“A igreja deve atrair pela diferença e não pela igualdade”.
“O diabo raramente criou algo mais perspicaz do que sugerir à igreja que sua missão consiste em prover entretenimento para as pessoas, tendo em vista ganhá-las para Cristo”.
“Hoje em dia ouvimos alguém extrair do seu contexto uma frase isolada na Bíblia e clamar: “Eureka!”, como se tivesse descoberto uma nova verdade; no entanto, não achou um diamante, mas um pedaço de vidro quebrado”.
“Nada deveria ser o alvo do pregador a não ser a glória de Deus através da pregação do evangelho da salvação”.
“Vocês e eu, somos constrangidos a pregar o evangelho, mesmo que nenhuma alma jamais seja convertida por ele; pois o grande propósito do evangelho é a glória de Deus, visto que Deus é glorificado mesmo naqueles que rejeitam o evangelho”.
“Preguem o evangelho tendo em vista unicamente a glória de Deus, ou então, segurem suas línguas.”

Fonte: Gospel Prime

Smilinguido: Personagem infantil completa 32 anos de existência

terça-feira, janeiro 31, 2012



Criado em 1980 a formiguinha tem, ao longo desses anos, ensinado milhares de crianças sobre valores cristãos e morais


Smilinguido: Personagem infantil completa 32 anos de existência
O personagem infantil Smilinguido completa 32 anos de existência nessa terça-feira, 31 de janeiro. O desenho foi produzido pela Editora Luz e Vida com o objetivo de levar a mensagem bíblica para crianças no início da década de 80 e hoje é sucesso em todo o Brasil.
São mais de 200 produtos com as histórias do Smilinguido como livros, agendas, jogos educativos, canecas, camisetas, marca-páginas, bonecos, DVDs, cartões, cadernos e outros materiais escolares. Todos produzidos pela Editora Luz e Vida e comercializados em diversas papelarias e lojas evangélicas.
Mas não é no só no Brasil que a formiguinha de patas amarelas e seus amigos fazem sucesso, pois outros países já encontram o material do Smilinguido traduzidos para o espanhol e para o inglês.
São mais de 30 nações com acesso às histórias que transmitem valores cristãos e universais para países como Chile, Peru, Bolívia, Paraguai, Uruguai, Equador, Colômbia, Venezuela, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Porto Rico, República Dominicana, Costa Rica, Argentina Canadá, Estados Unidos, México, Portugal, Inglaterra, Espanha, Alemanha, Holanda, Itália, Nova Zelândia, Austrália, Angola, Moçambique, Egito, Japão (para a colônia brasileira) e Malta.
Mais do que entretenimento para crianças evangélicas as histórias do Smilinguido servem para evangelizar e até para ensinar os pequenos sobre sentimentos comuns da idade  como ciúmes, inveja, tristeza e etc. Cada historinha tem uma moral educativa e com conceitos bíblicos, formando nas crianças a consciência de temor a Deus, respeito ao próximo e respeito à natureza.

Fonte: Gospel Prime

Organização lança campanha via Twitter a favor de Yousef Nadarkhani

terça-feira, janeiro 31, 2012

Mantendo o caso na mídia as autoridades internacionais vão continuar a pressionar o Irã para que soltem o pastor


Organização lança campanha via Twitter a favor de Yousef Nadarkhani
Para que o caso do pastor iraniano Yousef Nadarkhani não seja esquecido, a ACLJ (Centro Americano para Lei e Justiça) iniciou uma campanha pelo Twitter para que as autoridades internacionais não se esqueçam que Yousef está para ser condenado à morte por ter se convertido ao cristianismo.
Nessa campanha os usuários do Twitter precisam escrever diariamente mensagens sobre o tema para que ganhando notoriedade as autoridades locais sejam pressionadas a libertarem o pastor. Para isso é necessário escrever um texto com menção “Via OfficialACLJ” junto com informações sobre as acusações contra o pastor iraniano que está preso desde 2009.
Nadarkhani está sendo acusado de apostasia por ter deixado o Islã para se tornar cristão. Ele já foi condenado à sentença de morte, mas aguarda a decisão final do aiatolá Ali Khamenei, líder da Suprema Corte do Irã. Enquanto o líder iraniano não pronuncia sua sentença o pastor continua preso, sendo orientado por funcionários do governo a voltar a ser muçulmano.
A Voz dos Mártires organização também dos Estados Unidos, também incentiva que cartas e e-mails sejam enviados ao pastor para encorajá-lo a não desistir de sua fé em Cristo.
De acordo com essas instituições ligadas à missão, as autoridades iranianas desejam aguardar que o caso caia no esquecimento para poder executá-lo. Muitos líderes internacionais já se manifestaram exigindo a libertação do pastor, pois tal condenação fere os direitos humanos assinados por diversos países, entre eles o próprio Irã.
Com informações The Christian Post

Fonte: Gospel Prime

Projeto Ilhas de Chiloé

terça-feira, janeiro 31, 2012


Mitos, crenças e desafios. O projeto Ilhas de Chiloé é um dos trabalhos desenvolvidos pelos Gideões em uma terra longínqua, no oceano Pacífico. Trata-se de um arquipélago com 40 ilhas e 150 mil habitantes. Nossos missionários evangelizam diuturnamente um povo de cultura milenar, ascendentes dos primeiros habitantes do lugar: os índios mapuches.
Os primeiros habitantes da ilha foram os índios mapuche, e a abundância de gaivotas, num gritar contínuo que só termina com a noite, sugeriu-lhes o nome mais óbvio: “terra das gaivotas”, ou seja, Chiloé. As Ilhas de Chiloé estão localizadas no sul do Chile, e são conhecidas por suas belezas exuberantes. Os Gideões Missionários da Última Hora estão ali através do pastor Juan Alonso Soto Nonque e sua esposa missionária Telma. Há dez anos como missionários dos Gideões em Chiloé, quando chegaram iniciaram um trabalho evangelístico e em pouco tempo obtiveram resultados satisfatórios.
Segundo pastor Juan, uma das maiores dificuldades na ilha são as condições climáticas que mudam continuamente; no inverno a velocidade dos ventos chega de 75 a 80 quilômetros por hora, afetando-os fisicamente. Segundo Juan, o povo da ilha é muito idólatra, e o envolvimento dos ilhéus com trabalhos de bruxaria é demasiado.
Chiloé é a segunda maior ilha da América Latina, e nossos missionários encontram-se em Ancud, uma das cidades mais importantes da região. Cerca de cem membros fazem parte de nossa igreja, sem contar os congregados. A cada dia o poder de Deus tem se manifestado, e isto tem ocorrido mediante terríveis lutas espirituais.
Em relatório pastor Juan relata que alguns membros moram de 35 a 45 quilômetros da igreja, porém são membros assíduos do ministério. O trabalho é realizado com muito esforço e amor às almas, e faz parte de mais uma concreta realização dos Gideões Missionários, e a cada dia tem tido continuidade e sustento financeiro, pois colaboradores do Brasil e do mundo enviam suas ofertas missionárias. A ilha é frequentada por grande número de turistas, a economia é baseada na pesca do salmão e em atividades peculiares da ilha. O arquipélago tem uma população de 150.000 habitantes, o que representa um grande número a ser evangelizado.
A ilha é repleta de mitos antigos, e ainda no século XXI alguns moradores creem em algumas lendas. Os mitos existentes na ilha continuam encantando a população de todo o país e viajantes estrangeiros que chegam ao arquipélago de 180 km de extensão. Muitos dos protagonistas mitológicos do lugar são provenientes dos mares, sendo que a ilha é rodeada por canais, baías e pelo oceano Pacífico.
Fiura, a deusa do vício e da perversidade, é a mulher que vive em pântanos e, segundo a crença, satisfaz-se com as maldades que causa aos homens que a rejeitam. O castigo, segundo a mitologia local, é de que a deusa os leva a loucura por causa da rejeição a ela. Há outros deuses existentes na ilha, e o envolvimento do povo com práticas ocultistas realmente assusta os visitantes quando ficam sabendo da cultura de Chiloé.
Em meio a esta mistura cultural e mitológica o casal de missionários visita, faz cultos, batiza e evangeliza os moradores ilhéus. Quanto mais anunciarmos e apoiarmos o trabalho destes que se disponibilizam em pregar o evangelho nas ilhas, mais será derramado o poder de Deus na vida daqueles que conhecerem a palavra do Senhor.
A ordem imposta ao declarante do cristianismo é de que fosse até os confins da terra anunciar o evangelho. Se cada um de nós investirmos em missões, em pouco tempo as ilhas serão evangelizadas e a vinda do Senhor será abreviada. A população local tem o hábito de construir monumentos religiosos erguidos com madeira; as igrejas chilotes são tão conhecidas quanto às casas construídas sobre poucas palafitas que sobraram em Castro, a capital da Ilha de Chiloé.
Levar o evangelho às ilhas é um grande desafio, investir em localidades como esta não dará benefícios financeiros a nenhuma instituição missionária, é por isso que enviamos missionários aos lugares mais remotos da terra. A missão é evangelizar todos os povos, contribuir para o crescimento do reino de Deus, advertir os pecadores quanto a necessidade do ser humano em conhecer e reconhecer a Cristo como Salvador, sem esperar retornos financeiros.
Quando Cristo chegou a Gadar viu na vida de um moço endemoniado não suas impossibilidades, mas um futuro missionário naquele lugar pouco visitado. O trabalho de evangelismo visa o alcance de pessoas incapacitadas espiritualmente, mas possíveis missionários de Cristo. Pregar o evangelho nas ilhas consiste em uma responsabilidade contida na palavra de Deus, pois o apóstolo Paulo em suas viagens missionárias visitava ilhas e evangelizava quem nelas habitava.
Chiloé é uma dessas ilhas escondidas em meio aos mares, mas certamente a obra missionária terá continuidade com o profícuo envolvimento e disposição de pessoas em nos ajudarem a continuar mantendo missionários nestas localidades. Muitos destes que hoje são missionários dos Gideões não tinham nenhum sustento mensal, mas uma vez que assumimos o compromisso financeiro daqueles que solicitam ajuda ministerial à nossa instituição cumprimos com nossa responsabilidade, zelando pelo bem estar do missionário, e continuamente acompanhando o trabalho em andamento.
Esta e outras ilhas estão sendo evangelizadas diariamente pelos missionários dos Gideões. São 1200 famílias no campo missionário. Discipular é acompanhar diariamente o novo convertido, e o trabalho nas Ilhas de Chiloé não tem sido diferente.

Fotos


  Fonte: GMUH

Projeto Colômbia

terça-feira, janeiro 31, 2012


A meta é pregar a palavra, salvar almas, discipulá-las e prepará-las para o anúncio do evangelho.
Cleuseni Lopes, que por algum tempo atuou na Venezuela, e Keyla Cordeiro, aceitaram o desafio e foram em busca de almas em terras colombianas.
Através destas duas moças que corajosamente se disponibilizaram para a abertura do trabalho no país das guerrilhas, drogas e tráfico de armamentos, os Gideões Missionários da Última Hora, mediante suas vidas, adentram um território perigoso, onde o evangelho, em sua Constituição Federal, não é reprimido, mas em algumas localidades quem ditam as normas são os grupos guerrilheiros que, sem nenhum respeito à integridade física de pastores e missionários, espancam, ameaçam e até mesmo matam os que anunciam Cristo.
Após sete meses na Colômbia, precisamente na cidade de Maicao, estado de Guajira, vivendo debaixo de constantes ameaças, tensões, conflitos internos, insegurança física e pressões psicológicas por não terem o visto religioso de permanência no país, nossas missionárias foram convocadas para uma entrevista com o cônsul do país, para coleta de informações do real motivo de ali estarem.
Mesmo sendo as indagações e respostas relacionadas ao evangelho, por alguns minutos tiveram a oportunidade de ministrarem a Palavra àquele homem, que, por sua vez, em seu aspecto físico, não se convenceu com as palavras do evangelho por elas anunciadas. Contudo, liberou a estada de nossas missionárias para o desenvolvido de suas atividades espirituais.
A missão transcultural é um desafio para todos que desconhecem as realidades culturais de algumas localidades. O despreparo e o medo não são empecilhos que detêm as ações de homens e mulheres que têm por objetivo a pregação do evangelho.
Cleuseni conta-nos que a cultura é um grande desafio na adaptação não somente de missionários, mas de estudantes que procuram o país para seus aprimoramentos culturais. Os Gideões, neste novo projeto, permanecem enviando-lhes a prebenda mensal.
Quando chegaram à Colômbia, uma das dificuldades que encontraram neste período de adaptação foi o entendimento dos dialetos que costumeiramente são usados na comunicação de alguns nativos. O espanhol, como língua oficial colombiana, não é totalmente adotado pelas populações de comunidades distanciadas dos grandes centros urbanos.

Tradições
O povo guayu tem muitas tradições! Quando uma pessoa guayu morre, o velório dura até uma semana, e faz parte da tradição fazer muita comida e convidar parentes e amigos. Depois de seis meses eles se reúnem no cemitério, fazem banquetes e choram pelo morto.
Se sonharem com a pessoa que havia falecido, também se reúnem. Passados até mesmo dez anos eles vão novamente ao cemitério e fazem grandes banquetes, num ritual que pode durar mais de uma semana.
Matam bois, cabritos, fazem ticha (bebida fermentada do milho, inclusive com fezes humanas), e tomam cachaça.
Pela madrugada todos vão para ao túmulo e tiram o cadáver para fora e o parente mais próximo tem a incumbência de tirar todos os ossos e colocá-los dentro de uma outra urna pequena. Depois levam esta urna para outro cemitério, que fica no alto Guajira, em frente ao mar do Caribe, onde estão os ancestrais, porque, segundo suas tradições, enquanto os ossos não estiverem junto dos ancestrais, eles não descansam em paz.
Um senhor chamado Julio era alcoólatra e foi abandonado pela família, tornando-se um andarilho. Teve cirrose hepática e os médicos disseram que ele não tinha muito tempo de vida. Então, um de seus sobrinhos lhe disse: “como o senhor não tem muito tempo de vida, eu já fiz a sua urna e a enramada (espécie de galpão) para fazermos a comida”.
Alguém lhe falou de Jesus e ele se converteu, sendo curado milagrosamente. Nossas missionárias pregaram em um velório a convite deste senhor, e muitos tiveram a oportunidade de ouvir o evangelho.
Um pastor assessora nossas missionárias com as documentações, e emprestou-lhes um galpão no bairro Guayumana para a realização de cultos. Quando chegaram àquele lugar a maioria das pessoas não falava o espanhol, mas a expectativa era de que ali seria um lugar produtivo. Todas as vezes que pregavam, perguntavam se estavam entendendo, e a resposta era sempre não. Durante alguns meses, ao voltarem para casa, procuravam meios de como evangelizá-los; então pediam a Deus uma estratégia para pregarem de forma mais inteligível.
Ao passar dos dias descobriram a Bíblia em Guayunaiki, mas a maioria eram analfabeta. Depois encontraram a Bíblia em áudio, o que tornou o evangelismo mais proveitoso. Cleuseni, em seu relatório missionário, conta que um dia, enquanto Keila pregava, todos começaram a conversar e não conseguiam silenciá-los. Por curiosidade perguntavam o que é que eles tanto falavam, e pedíamos para lhes falarem em espanhol, mas eles prosseguiam em conversar.
Então, um dos meninos disse-lhes: “vocês falam, mas os nossos pais não entendem, por isso estamos interpretando o que vocês estão falando. A partir daquele momento, passaram a usá-los como intérpretes nos cultos.
Na Colômbia muitas tradições às vezes se chocam com a palavra de Deus, por isso muitos obreiros não têm paciência para trabalhar com eles, pois é necessário muita persistência e paciência para ver os frutos. Para o homem se casar com uma guajira tem que comprá-la, e se ele a possuir antes de se casar deve pagar de igual forma porque já usou-a. O preço é avaliado em colares de ouro, gado, cavalos, cabritos ou valor monetário.
Quando as famílias entram em litígio há derramamento de sangue. O sangue é cobrado e dependendo da agressão verbal, física ou envolvimento amoroso o valor varia de preço. Se a agressão for de grande magnitude, não há acordo; é aí que eles começam a matarem-se.
Na Colômbia confrontamos com todos estes abusos e exageros cometidos, mas não é fácil mudar uma cultura milenar em dois anos. As coisas boas se conservam, mas o que é maléfico temos que confrontá-las a luz da palavra de Deus.
Guerra Espiritual - Relato Missionário
Havia uma senhora por nome Beatriz que, durante um ano, a convidamos para os cultos, mas nunca aceitou o convite. Porém, um dia ela chegou à igreja e nos pediu para orar pelo seu sobrinho que estava atormentado por um espírito maligno. Neste dia não fomos, mas outra vez nos procurou e fomos em direção à rancheria, uma região afastada da cidade de Maicao.
Glades, sua sobrinha, morava na rancheria e alguém estava fazendo feitiçaria para destruir sua família. Seu esposo ficou possuído por demônios, rastejava pelo chão como serpente e o inimigo dizia em sua boca que iria destruir todos os seus familiares.
Não demorou muito tempo e o homem faleceu. Depois que ele morreu o diabo se manifestou no corpo da sogra, com os mesmos sintomas. Passaram nove dias e o inimigo fez mais uma vítima. Depois que a velaram, Satanás se manifestou no corpo de sua irmã e dizia: “enquanto eu não levar toda a família, não vou descansar”. Depois de nove dias ela morreu, deixando três filhos. Glades, desesperada, fugiu com seus quatro filhos e dois sobrinhos que ficaram orfãos.
Por desígnio divino foram morar perto do local onde trabalhamos. Nosso adversário não têm fronteiras, seu plano era destruir toda a família. Fomos a sua casa levar leite e biscoitos para as crianças; são pessoas de poucos recursos financeiros.
Oramos por eles e enquanto nos despedíamos para sair, Satanás se manifestou no corpo da criança de um ano de idade e todos entraram em desespero. A criança ficou como se estivesse com insuficiência cardiáca, não respirava, se retorcia no corpo da mãe. Então, Missª Keila pegou a criança no colo e começamos a repreender aquele espírito maligno, declarando que aquela criança era propriedade de Deus e que o adversário não iria fazer mais vítimas ali.
Depois de uma longa batalha espiritual, conseguimos expulsá-lo. O resultado foi que Beatriz aceitou a Jesus com seus três filhos e Glades também, com todos os seus filhinhos.
Se Jesus não chegasse primeiro àquele lugar, o inimigo teria feito muitas atrocidades. Isso porque atendemos o “ide” do Senhor.

Fotos


  Fonte: GMUH

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *